CAPITAL PHILHARMONIA REALIZA CICLO SINFÔNICO EM BRASÍLIA COM OBRAS DO MÚSICO ALEMÃO FELIX MENDELSSOHN BARTHOLDY

 A cidade vai ganhar uma série de concertos com a orquestra Capital Philharmonia dedicados à obra sinfônica de Felix Mendelssohn Bartholdy com quatro apresentações no Teatro dos Bancários, nos dias 17/08, 14 e 27/09 e 19/10.
No concerto de abertura, dia 17 de agosto, serão apresentadas a Sinfonia nº 1 em Dó menor (1824) e trechos de “Sonho de uma noite de verão”. Em setembro acontecerão duas apresentações: uma no dia 14 de setembro, quando o público poderá conferir a Sinfonia nº 5 em Ré menor/maior (Reformations Sinfonie/1830), abertura Ruy Blas e Sinfonia para cordas nº 8 executada pela primeira vez no Brasil em versão para orquestra. No dia 27 será a vez da orquestra apresentar a Sinfonia nº 4, em Lá Maior (Italiana/1833) e aberturas “As Hébridas”, “Mar Calmo e Viagem Próspera” e “A Bela Melusina”. E para finalizar o ciclo de concertos, no dia 19 de outubro será executada a Sinfonia nº 3 em Lá menor (Escocesa/1842) e concerto para violino em mi menor, que contará com o solo do violinista peruano Ivan Quintana que também é spalla da orquestra Capital Philharmonia.
A ideia de fazer uma série de concertos de obras de um mesmo compositor já estava há algum tempo na cabeça do maestro Artur Soares, fundador e regente da Philharmonia desde 2012 e que, desde então, tem se apresentado à frente da orquestra em concertos sinfônicos com obras de compositores como Beethoven, Liszt e Tchaikovsky, entre outros. “Acho que essa será uma oportunidade única para o público brasiliense apreciar, através de uma série, o conjunto de obras de um mesmo compositor e dessa forma analisar essas peças em conjunto e não separadamente como acontece, normalmente”, afirma Artur que tem o sonho de que esse projeto possa acontecer anualmente sempre dedicado a um compositor diferente. A escolha de Mendelssohn para a estreia teve alguns motivos, entre eles o fato de ser um compositor que se adapta ao tipo de orquestras menores como é o caso da Philharmonia composta por 35 músicos e também por ser o ano em que se completam 170 anos de falecimento do compositor alemão.

Orquestra Philharmonia
Fundada em 2012 pelo maestro Artur Soares, a orquestra composta por jovens solistas surgiu para a apresentação da ópera Don Giovanni de Mozart e tem se apresentado em concertos sinfônicos e óperas acompanhando solistas como o pianista André Kacowicz, o trompetista Marcelo Arantes e as violinistas Samara Bley e Janaína Fernandes. Recentemente se apresentou na montagem da ópera Fidélio de Beethoven, na Escola de Música de Brasília.

Artur Soares
O maestro Artur Soares começou os seus estudos de música na Escola de Música de Brasília em 1994 onde estudou teoria e piano até 1998 com a professora Valéria Pacheco. É compositor e entre as suas obras destacam-se uma sinfonia, concertos, músicas corais e também para grupos de câmara. Recentemente compôs um Salmo em ocasião do jubileu de prata do Coro Sinfônico Comunitário da UnB.
Em 2006 começou aulas de regência com o Maestro Emílio de César, com quem trabalhou como assistente e correpetidor no Coral Brasília. Participou de masterclasses de regência com professores como os Maestros Stojan Kuret, em regência coral, e em regência orquestral com os Maestros Ricardo Rocha, no 34o, 36o e 37o CIVEBRA, Roberto Paternostro, em Berlim (Alemanha) e com Kenneth Kiesler em Berlim e no Retiro de Regentes de Medomak (EUA).
Em 2012 fundou a orquestra Capital Philharmonia da qual é regente. Já se apresentou, com o grupo Vox Dei Brasília, a cantata Membra Jesu Nostri, de Buxtehude, o Glória, de Vivaldi e o espetáculo “O Cortiço – uma metamorfose lírica”. Foi diretor musical do projeto de extensão da UnB “Ópera Estúdio”, que apresentou as óperas Così Fan Tutte, de Mozart, Don Pasquale, de Donizetti e um programa de gala lírica.

Ivan Quintana
O violinista peruano Ivan Quintana é formado no Conservatório Superior de Música de Lima, bachalerado na UFRJ e mestrado na UFG. Foi aluno de Ruggiero Ricci no 92 Internationale Sommerakademie Mozarteum Salzburg na Austria. Participou do XLIV Concorso Internazionale di Violino “Premio Paganini” em Gênova na Itália  foi músico da OSESP (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo), a Orquestra Sinfônica Brasileira e foi Spalla da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, da Orquestra Filarmônica de Lima e da Orquestra Sinfônica de Goiânia. Atualmente é spalla da Capital Phillarmonia e no último concerto da série do compositor Mendelssohn, no dia 27 de outubro, fará um solo de violino.
Ciclo Sinfônico Felix Mendelssohn Barthody
Teatro dos Bancários
17 de agosto
14 de setembro
27 de setembro
19 de outubro
Horário: 19:30 horas
Ingressos: R$ 40,00 (inteiro) e R$ 20,00 (meia-entrada)
Vendas: bilheteriadigital.com ou em pontos de vendas no: Conjunto Nacional, Brasília, Pátio e Alameda shoppings e Feira dos Importados
Nos dias de espetáculos os ingressos serão vendidos na bilheteria do Teatro dos Bancários
Classificação indicativa: Livre

FESTIVAL DE CINEMA BB DTVM 2017

Nesta terça-feira (15/08), começa o Festival de Cinema BB DTVM que irá apresentar o melhor da produção cinematográfica nacional dos últimos anos em 25 longas-metragens, com projeções na sala de cinema e no jardim do Centro Cultural do Banco do Brasil Brasília.

As sessões especiais no jardim serão nos dias 18, 19 e 20/08 e serão seguidas de shows, com participação do DJ Criolina, foodtruks e muito mais.

PROGRAMAÇÃO:

Dia 15/08, terça, às 19h30
Flores Raras
Lançamento: 2013
Duração: 1h44
Direção: Bruno Barreto
Gênero: Drama, biografia.
Classificação indicativa: 14 anos

Dia 16/08, quarta, às 17h
Somos Tão Jovens
Duração: 1h44
Direção: Antonio Carlos da Fontoura
Gênero: Drama, biografia.
Classificação indicativa: 14 anos

Dia 16/08, quarta, às 19h30
Meu Nome Não É Johnny
Lançamento: 2008
Duração: 2h04
Direção: Mauro Lima.
Gênero: Drama.
Classificação indicativa: 14 anos.

Dia 17/08, quinta, às 17h
Trinta
Lançamento: 2014
Duração: 1h32
Direção: Paulo Machline
Gêneros Drama, biografia
Classificação indicativa: 12 anos

Dia 17/08, quinta, às 19h30
Xingu
Lançamento:2012
Duração: 1h42
Direção: Cao Hamburger
Gêneros Drama, aventura, biografia
Classificação indicativa: 12 anos

DIAS 18, 19 e 20 – CINE AO AR LIVRE (Classificação indicativa: 16 anos)

Dia 18/08 – sexta
a partir das 19h
DJs Criolina

às 20h30 (sessão ao ar livre)
Elis
Lançamento: 2016
Duração: 1h55
Direção: Hugo Prata
Gêneros: Drama, biografia
Classificação indicativa: 14 anos

a partir das 22h30
Show ao vivo com Luciana Mello

Dia D19/08 – sábado
a partir das 18h
DJs Criolina

às 19h30 (sessão ao ar livre)
Tim Maia
Lançamento: 2014
Duração: 2h20
Direção: Mauro Lima
Gênero: Drama, biografia
Nacionalidade: Brasil
Classificação indicativa: 16 anos

a partir das 22h
Show ao vivo com Léo Maia

Dia 20/08 – domingo
a partir das 18h
DJs Criolina

às 19h30 (sessão ao ar livre)
Cassia Eller
Lançamento: 2015
Duração: 2h
Direção: Paulo Henrique Fontenelle
Gênero: Biografia, documentário.
Classificação indicativa: 12 anos

a partir das 21h30
Show de abertura com a banda O Tarot
Show ao vivo com 2 Reis

Dia 22/08, terça, às 17h
De Pernas para o Ar 1
Lançamento: 2010
Duração: 1h47
Direção: Roberto Santucci
Gênero: Comédia
Classificação indicativa: 14 anos

Dia 22/08, terça, às 19h30
Reza a Lenda
Lançamento: 2016
Duração:1h27
Direção: Homero Olivetto
Gêneros Ação, Romance
Classificação indicativa: 14 anos

Dia 23/08, quarta, às 17h
Meu Passado me Condena 1
Lançamento: 2013
Duração: 1h25
Direção: André Pellenz
Gênero: Comédia
Classificação indicativa: 12 anos

Dia 23/08, quarta, 19h30
Corações Sujos
Lançamento: 2012
Duração: 1h30
Direção: Vicente Amorim
Gêneros: Drama, histórico, suspense, romance
Classificação indicativa: 14 anos

Dia 24/08, quinta, às 17h
Vai Que Cola
Lançamento 2015
Duração: 1h40
Direção: César Rodrigues
Gênero: Comédia
Classificação indicativa: 12 anos

Dia 24/08, quinta, às 19h30
Trash – A Esperança Vem do Lixo
Lançamento: 2014
Duração: 1h54
Direção: Stephen Daldry
Gênero: Aventura, comédia, drama
Nacionalidades: Reino Unido, Brasil
Classificação indicativa: 14 anos

Dia 25/08, sexta, às 15h
Minha Mãe é Uma Peça 1
Lançamento: 2013
Duração: 1h25
Direção: André Pellenz
Gênero: Comédia
Classificação indicativa: 12 anos

Dia 25/08, sexta, às 17h
Zoom
Lançamento: 2016
Duração: 1h37
Direção: Pedro Morelli
Gênero: Animação, comédia, drama
Nacionalidade: Brasil, Canadá
Classificação indicativa: 14 anos

Dia 25/08, sexta, às 19h30
Entre Nós
Lançamento 2014
Duração: 1h40
Direção: Paulo Morelli, Pedro Morelli
Gênero Drama
Classificação indicativa: 16 anos

Dia 26/08, sábado, às 14h30 (infantil)
Meninos de Kichute
Lançamento: 2014
Duração: 1h42
Direção: Luca Amberg
Gênero: Drama, biografia.
Classificação Indicativa: Livre

Dia 26/08, sábado, às 16h30 (infantil)
Tainá – A Origem
Lançamento: 2013
Duração: 1h20
Direção: Rosane Svartman
Gênero: Aventura
Classificação indicativa: Livre

Dia 26/08, sábado, 18h30
Filhos de Bach
Lançamento: 2017
Duração: 1h31
Direção: Ansgar Ahlers
Gênero: Drama, comédia, musical
Nacionalidade: Alemanha, Brasil
Classificação indicativa: Livre

Dia 26/08, sábado, às 20h30
Os Homens são de Marte. É prá lá que eu vou
Lançamento: 2014
Duração: 1h46
Direção: Marcus Baldini, Susana Garcia
Gênero: Comédia
Classificação indicativa: 14 anos

Dia 27/08, domingo, às 14h30 (infantil)
Uma Professora Muito Maluquinha
Lançamento: 2011
Duração: 1h30
Direção: André Alves Pinto, César Rodrigues
Gênero: Família, comédia
Classificação indicativa: Livre

Dia 27/08, domingo, às 16h30 (infantil)
Um Tio Quase Perfeito
Lançamento: 2017
Duração: 1h35
Direção: Pedro Antonio
Gênero: Comédia
Classificação indicativa: Livre

Dia 27/08, domingo, às 18h30
Meus Dois Amores
Lançamento: 2015
Duração: 1h26
Direção: Luiz Henrique Rios
Gênero: Comédia
Classificação indicativa: 12 anos

Dia 27/08, domingo, às 20h30
Que Horas ela Volta?
Lançamento: 2015
Duração: 1h51
Direção: Anna Muylaert
Gênero: Drama
Classificação indicativa: 12 anos

Confira a programação completa e a classificação indicativa dos filmes em nosso site: http://bit.ly/2feTBCd
*Entrada gratuita, sujeita à lotação.

Festiva cinema 2017 BBDTVM

Nesta terça-feira (15/08), começa o Festival de Cinema BB DTVM que irá apresentar o melhor da produção cinematográfica nacional dos últimos anos em 25 longas-metragens, com projeções na sala de cinema e no jardim do Centro Cultural do Banco do Brasil Brasília. As sessões especiais no jardim serão nos dias 18, 19 e 20/08 e serão seguidas de shows, com participação do DJ Criolina, foodtruks e muito mais.18/08 (19h) – Filme Elis (2016) + Show de Luciana Mello19/08 (18h) – Filme: Tim Maia (2014) + Show de Léo Maia20/08 (18h) – Filme: Cassia Eller (2015) + Shows de "O Tarot" e "2 Reis"Confira a programação completa e a classificação indicativa dos filmes em nosso site: http://bit.ly/2feTBCd *Entrada gratuita, sujeita à lotação.

Publicado por CCBB Brasília em Terça-feira, 15 de agosto de 2017

DEBORAH COLKER FAZ EM CÃO SEM PLUMAS NA CAPITAL FEDERAL

Deborah Colker faz em Cão Sem Plumas, baseado no poema homônimo de João Cabral de Melo Neto (1920-1999), seu primeiro espetáculo de temática explicitamente brasileira. A estreia internacional aconteceu em 3 de junho, no Teatro Guararapes, em Recife. Em 12 de agosto, chega a Brasília, em única apresentação, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. A Cia. Deborah Colker conta com o patrocínio da Petrobras desde 1995.

Publicado em 1950, o poema acompanha o percurso do rio Capibaribe, que corta boa parte do estado de Pernambuco. Mostra a pobreza da população ribeirinha, o descaso das elites, a vida no mangue, de “força invencível e anônima”. A imagem do “cão sem plumas” serve para o rio e para as pessoas que vivem no seu entorno.

“O espetáculo é sobre coisas inconcebíveis, que não deveriam ser permitidas. É contra a ignorância humana. Destruir a natureza, as crianças, o que é cheio de vida”, diz Deborah. A dança se mistura com o cinema. Cenas de um filme realizado por Deborah e pelo pernambucano Cláudio Assis – diretor de longas-metragens como Amarelo Manga, Febre do Rato e Big Jato – são projetadas no fundo do palco e dialogam com os corpos dos 13 bailarinos. As imagens foram registradas em novembro de 2016, quando coreógrafa, cineasta e toda a companhia viajaram durante 24 dias do limite entre sertão e agreste até Recife.

A jornada também foi documentada pelo fotógrafo Cafi, nascido em Pernambuco. Na trilha sonora original estão mais dois pernambucanos: Jorge Dü Peixe, da banda Nação Zumbi e um dos expoentes do movimento mangue beat, e Lirinha (ex-cantor do Cordel do Fogo Encantado, poeta e ator), além do carioca Berna Ceppas, que acompanha Deborah desde o trabalho de estreia, Vulcão (1994). Outros antigos parceiros estão em cenografia e direção de arte (Gringo Cardia) e na iluminação (Jorginho de Carvalho). Os figurinos são de Claudia Kopke. A direção executiva é de João Elias, fundador da companhia.

Os bailarinos se cobrem de lama, alusão às paisagens que o poema descreve, e seus passos evocam os caranguejos. O animal que vive no mangue está nas ideias do geógrafo Josué de Castro (1908-1973), autor de Geografia da fome e Homens e caranguejos, e do cantor e compositor Chico Science (1966-1997), principal nome do mangue beat. O movimento mesclava regional e universal, tradição e tecnologia. Como Deborah faz.

Para construir um bicho-homem, conceito que é base de toda a coreografia, a artista não se baseou apenas em manifestações que são fortes em Pernambuco, como maracatu e coco. Também se valeu de samba, jogo, kuduro e outras danças populares. “Minha história é uma história de misturas”, afirma ela.

Seu grupo se firmou como fenômeno pop em Velox (1995), Rota (1997) e Casa (1999). Os espetáculos Nó (2005), Cruel (2008), Tatyana (2011) e Belle (2014) trataram de temas existenciais, como os afetos. Em Cão sem plumas, Deborah reúne aspectos de toda a sua carreira. “Cabem a elegância do clássico, a lama das raízes e o olhar contemporâneo. O nome disso é João Cabral”, diz ela.

Reconhecida internacionalmente, Deborah recebeu em 2001 o Laurence Olivier Award na categoria Oustanding Achievement in Dance (realização mais notável em dança no mundo). Em 2009, criou um espetáculo para o Cirque de Soleil: Ovo. Em 2016, foi a diretora de movimento da cerimônia de abertura das Olimpíadas do Rio de Janeiro João Cabral vivia em Barcelona, como diplomata, quando leu numa revista que a expectativa de vida no Recife era menor do que na Índia. A notícia foi o impulso para fazer O cão sem plumas. Publicou em 1953 O rio ou Relação da viagem que faz o Capibaribe de sua nascente à cidade do Recife e, três anos depois, sua obra mais conhecida, Morte e vida severina. Sua poesia, das mais importantes do Brasil, é marcada pelo rigor e pela rejeição a sentimentalismos.

Serviço:
Dia: 12 de Agosto (sábado)
Horário: 21h
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães – Eixo Monumental
Duração: 1h10 minutos
Classificação: Livre
Ingressos:
– Poltrona Superior: R$ 70 (meia-entrada)
–  Poltrona Especial A – R$ 120 (meia-entrada)
– Poltrona Especial B – R$ 100 (meia-entrada)
– Poltrona VIP – R$ 170 (meia-entrada)
– Cadeirante – Poltrona Especial – R$ 100 (meia-entrada)
– Cadeirante – Poltrona VIP – R$ 170 (meia-entrada)
Descontos:
– Cartão Petrobras e Força de Trabalho: 50% na compra de até 2 ingressos por apresentação. Desconto não cumulativo.
– Estudantes e idosos: 50% de desconto.

FESTA ODARA HOMENAGEIA CAETANO VELOSO

Conhecida como a festa da música brasileira, a Festa Odara volta a Brasília no dia 18 de agosto para celebrar a obra de Caetano Veloso, que completa 75 anos de vida, e a Tropicália, movimento musical que ele liderou ao lado de Gilberto Gil e que completa 50 anos.

O marco zero do movimento tropicalista se deu em 1967 no 3º Festival de Música Popular Brasileira da TV Record, quando Caetano e Gil, ambos com 25 anos, apresentaram respectivamente as canções “Alegria, Alegria” e “Domingo no Parque”, acompanhados por bandas que empunhavam as então temidas guitarras elétricas.

A Festa Odara vai explorar as canções mais emblemáticas do tropicalismo além de revisitar a obra do aniversariante leonino Caetano Veloso. “Alegria, Alegria”, “Baby”, “Atrás do trio elétrico”, “A minha menina”, “Batmacumba”, “Aquele abraço”, “Domingo no Parque” e “Não enche” farão parte do repertório.

Além disso, a festa mantém sua tradição e garimpa os grandes clássicos dançantes da nossa música brasileira e também revela o talento de novos artistas, confrontando gerações ao melhor estilo tropicalista: de Caetano Veloso a Johnny Hooker, de Fafá de Belém a Felipe Cordeiro, de Jorge Ben a Criolo, de Gilberto Gil a Tulipa Ruiz, de Roberto Carlos a Roberta Sá etc. Toso esse repertório estará nas mãos do DJ Johnny Harp e do criador e produtor da festa Rodrigo Faria.

Serviço:
Festa Odara
DIA 18/08 (sexta) às 23 horas
Local: Flutuante Laguna (SCES Trecho 2 – Orla do Lago Paranoá – Próximo à ponte JK e ao restaurante Mangai)
Ingressos: Antecipados online:
2o Lote R$ 30 + taxa
Acesse: https://www.ingresse.com/ingressos-festa-odara-18-08

Na bilheteria na hora do evento:
3o Lote R$ 50 – APENAS EM DINHEIRO
Aceita-se cartão de débito e crédito para consumo no bar.
Classificação indicativa: 18 anos.

MOSKA FAZ SHOW DE GRAÇA NO PÁTIO BRASIL

O cantor Paulinho Moska faz show na área externa do Pátio Brasil, no próximo dia 23 de agosto. A entrada é gratuita, mas os interessados precisam retirar antes o ingresso na Bilheteria Digital, no 3º piso do shopping.

São 1.000 lugares para a pista Premium, em que basta fazer o cadastro e pegar a entrada, e 500 cadeiras VIPs, que serão trocadas por uma lata de leite em pó cada. Tudo que for arrecadado será doado para instituições de assistência social.

A abertura dos portões será às 19h. Às 19h30 tem show da cantora Kell Smith, uma das revelações de 2017. Dona de uma voz versátil, Kell pode aparecer suave e com um belo tom em ‘Era Uma Vez’ e agressiva nos versos de ‘Viajar É Preciso’, que também apresenta o lado rapper da novata. Mas foi com o hit ‘Respeita as Mina’ que ela ganhou destaque na mídia, pela mistura criativa de MPB com passagens de hip-hop.

Já o show de Paulinho Moska no formato ‘voz e Violão’,tem no repertório canções como ‘Pensando em Você’, ‘A Seta e o Alvo’, ‘A Idade do Céu’, ‘Lágrimas de Diamantes’, ‘Último Dia’, ‘Tudo Novo de Novo’, ‘Namora Comigo’, ‘Somente Nela’, ‘Admito Que Perdi’, ‘Relampiano’, ‘Quantas Vidas Você Tem?’, ‘Sem Dizer Adeus’, ‘Muito Pouco’, entre outras.
Estarão também no show a regravação de ‘Enrosca’, ‘Tudo Que Acontece de Ruim é Para Melhorar’ e ‘Impaciente Demais’, trilhas de novelas globais e sucessos nas rádios do Brasil.

Serviço:
Moska no Pátio Brasil
Dia: 23/08 (quarta-feira), às 19h
Local: Varandão do Pátio Brasil
Ingressos:
500 Cadeiras VIP (em troca de 1 lata de leite em pó)
1.000 lugares Pista Premium
Entrada: gratuita, mediante retirada de ingressos na Bilheteria Digital (3º piso)
Informações: (61) 2107-7400
Classificação 16 anos.

1ª EDIÇÃO DO FESTIVAL CRIOLINA TEM PROGRAMAÇÃO DE 12 HORAS DE MÚSICA

Em comemoração aos 12 anos do selo Criolina, o evento reúne, ao longo de 12 horas de música brasileira, 15 artistas vindos de cinco estados e também do DF, que se revezarão em dois palcos.

No sábado, dia 12 de agosto, as ruas e prédios do centro de Brasília vão ser o cenário para o encontro de alguns dos nomes mais representativos da música brasileira contemporânea.

A convite do selo Criolina e para comemorar seus 12 anos de atividades na cena cultural, sete bandas e oito DJs vão trazer as novidades que estão pulsando em vários cantos do Brasil para o meio do Setor Comercial Sul.

Para os produtores e DJs que compõem o Criolina, a realização do evento “traz essa magia de reunir tudo e todos no coração da cidade. Promover este Festival é um sonho antigo, fortalece a música brasileira e a vocação de Brasília para as experiências em espaços públicos”.

O projeto Palco Criolina é o amadurecimento das festas e acumula na bagagem mais de 500 edições, com passagens por 15 cidades brasileiras e sete países, e por onde passaram cerca de 1000 artistas, de mais de 13 estados brasileiros e de mais 20 países diferentes, ao longo de seus 12 anos.

>>>>>>Palco Criolina
Consuelo (DF); Metá Metá (SP); Passo Largo (DF), Criolina (MA); Muntchako (DF), Felipe Cordeiro (PA) e Eddie (PE); DJ Emidio (DF)

>>>>>>>Palco Aparelhinho
DJ Dolores (PE); Mauro Farina (SP); Ops (DF); Venga Venga (SP); Mauro Telefunksoul (BA); Pezão (DF); Barata (DF)

Serviço:
Festival Criolina – 1º Edição
Dia 12/08 (sábado), das 19h às 5h
Local: Setor Comercial Sul
Ingressos: https://goo.gl/JioJuL
Informações:
www.facebook.com/festacriolina
www.instagram.com/criolinabsb
Classificação 18 anos

ELISA LUCINDA, ELLEN OLÉRIA E GRANDE ELENCO EM “L, O MUSICAL” DE SÉRGIO MAGGIO, NO CCBB BRASÍLIA

O espetáculo “L, O Musical”: uma narrativa em que o amor entre mulheres é posto ao centro do palco como um ponto de partida para uma trama inédita, que se sustenta em valores caros ao ser humano, como o direito incondicional de amar livremente, sem regras e imune a preconceitos. A partir de um relicário de canções da MPB, a montagem conta com Ellen Oléria, Elisa Lucinda e elenco. A estreia será dia 10 de agosto de 2017, no Teatro 1 do Centro Cultural Banco do Brasil de Brasília, a peça segue temporada até 1° de setembro.
As personagens Ester, Rute, Anne, Simone, Elle, Filipa, Léa e Xena vivem, em cena, as delícias e os conflitos de amar iguais. Sem flertar com panfleto, o espetáculo tem como núcleo central valores como a liberdade, o desejo, os afetos e a identidade humana, que norteiam qualquer indivíduo independentemente da sua orientação sexual ou identidade de gênero. “No caso da mulher lésbica, há uma especificidade muito impactante. Ela sofre uma dupla opressão: a de ser mulher e a de ser lésbica. O machismo e o sexismo são terríveis agravantes”, observa Sérgio Maggio.
Com dramaturgia e direção de Sérgio Maggio (“Eu Vou Tirar Você Deste Lugar – As Canções de Odair José”), direção musical de Luís Filipe de Lima (“Sassaricando”), direção de movimento de Ana Paula Bouzas (“A Cuíca de Laurindo”) e direção de produção de Ana Paula Martins (“Duas Gotas de Lágrimas no Frasco de Perfume”), “L, O Musical” reúne em cena um precioso encontro de atrizes.
Elisa Lucinda (também escritora e poeta consagrada) e Ellen Oléria (atriz de formação, que retorna aos palcos 12 anos depois de ter feito a última peça) encabeçam o cast formado pelas talentosas Renata Celidonio (“Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos”), Gabriela Correa (“As Canções de Odair José”), Tainá Baldez (“As Canções de Odair José”) e Luiza Guimarães (“Três Tigres Tristes”).
O universo de canções que norteia o espetáculo foi montado a partir de pesquisa e referências a cantoras brasileiras que são ora publicamente lésbicas ou bissexuais ora que promovem uma identificação afetiva com esse público. “Realizei uma pesquisa espontânea em comunidades virtuais de lésbicas que me passaram listas de músicas que embalavam seus amores, encontros e desencontros. Além disso, buscamos essa identificação afetiva”, conta Maggio, que assina o roteiro musical ao lado de Ellen Oléria e com supervisão de Luís Filipe de Lima.
Pensado como um processo criativo no qual as atrizes se transformam em artistas-criadoras, o espetáculo teve como referência afetiva o histórico texto dramatúrgico “As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant”, de Rainer Werner Fassbinder, que teve uma montagem histórica no Brasil, em 1982, com Fernanda Montenegro, Renata Sorrah, Rosita Thomas Lopes e Juliana Carneiro de Cunha no elenco.
A equipe criadora de “L, O Musical” reúne nomes consagrados da cena teatral brasileira, vindos do Rio de Janeiro e de Brasília. Jones de Abreu (um dos atores mais respeitados da cena brasiliense) é diretor assistente do projeto, enquanto Maria Carmen de Souza (Prêmio Moliere e Mabembe por “A Resistência”, de Maria Adelaide Amaral) assina o cenário. O desenho de luz é de Aurélio de Simoni (um dos iluminadores mais premiados do país, que fez a luz da histórica montagem de “Petra”, em 1982). Carol Lobato (figurinista de grandes musicais nacionais, como “Cinderela”) idealizou e executou o projeto de figurinos. Branco Ferreira (especialistas em som para musicais, como “Contravento”) faz o design de som. Luma Le Roy (que acaba de voltar de uma especialização na França) é a responsável pelo visagismo. Daniela Pereira Carvalho (“Renato Russo”) fez a supervisão de dramaturgia.

Sinopse
Uma renomada autora de novelas está esfuziante com o sucesso do primeiro folhetim a ter um triângulo amoroso formado por mulheres. Ela divide esse cotidiano profissional e afetivo com amigas. A chegada de notícias inesperadas muda o destino de todas. Com repertório que passeia pelo universo de canções femininas, a narrativa segue tecendo relações de afetos entre seis mulheres.
preconceitos e padronizações que querem nos definir e aprisionar. É esse o lugar que queremos chegar com nossas vozes.” Gabriela Correa.
“O musical fala sobre muitas relações de afeto. No momento em que vivemos falar de afetos, sem que haja temor, é um ato revolucionário. É mesmo possível e preciso amar sem temer”. Luiza Guimarães.
“É um presente e um privilégio integrar um elenco cheio de mulheres tão poderosas e poder abordar questões tão urgentes como o feminismo e a homossexualidade. Não vejo a hora de cantar para o mundo que qualquer maneira de amor vale a pena! Evoé às deusas do teatro”. Tainá Baldez.
“Que maravilha é falar de amor e estar rodeada de mulheres incríveis. Um privilégio em tempos atuais, não é?”. Renata Celidonio.

Workshop e bate-papos
Além do espetáculo, haverá um bate-papo com elenco após a sessão do dia 27/08 (véspera do Dia da Visibilidade Lésbica), às 20h, e um workshop gratuito de “Dramaturgia para Musicais”, ministrado por Sérgio Maggio nos dias 19/08 (das 10h às 12h. das 13h às 15h) e 20/08 (das 14h às 17h), no Teatro II do CCBB. Público-alvo: atores, diretores, estudantes e amantes do teatro. Vagas: 20. Inscrições: espetaculol.omusical@gmail.com.

“L, O MUSICAL”
Centro Cultural Banco do Brasil Brasília
SCES, Trecho 2, Lote 22, Brasília – DF
www.bb.com.br/cultura
Estreia: 10 de agosto de 2017
Temporada: até 1 de setembro (no CCBB)
de quarta a domingo, às 20h
Sessões extras: Nos dias 13/08 e 19/08, haverá sessão extra, às 16h30
Atenção:
A sessão do dia 25/08 será feita com atriz Luiza Guimarães, stand-in de Ellen Oléria.
Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)
Clientes BB tem 50% de desconto em até 2 ingressos
Duração: 110 minutos
Recomendação/Classificação: 14 anos
Gênero: Drama musical
Horário da bilheteria do CCBB: de terça a domingo, das 13h às 21h
Informações CCBB: Tel: (61) 3108-7600
Capacidade do teatro: 325 lugares

AUÊ DA SAMARTINI ESPECIAL DE ANIVERSÁRIO NESTA QUINTA-FEIRA (3)

 

Nesta quinta-feira, 3 de agosto, a belíssima cantora Adriana Samartini completa mais um ano de vida e convida você para comemorar em grande estilo, com um show especial no Auê da Samartini  no  Empório Santo Antônio. Além do aniversário, motivos não faltam para celebrar, afinal, a cantora está vivendo um importante momento da carreira, marcado por grandes shows em festivais da cidade, que aconteceram durante todo o ano. Entre eles, o Carnaval no Parque, a festa Santa Paella e o Som na Praia. Para comemorar a data querida, Adriana preparou um repertório com o melhor do axé, sem esquecer dos hits mais tocados do momento. A programação começa a partir das 18h, no Empório Santo Antônio (Pier 21). O valor do couvert artístico é de R$ 12,00.

CAPITAL INICIAL NO LUAU DO IATE

A banda Capital Inicial vem à Brasília no próximo final de semana e apresenta o show ‘Acústico NYC’ no Luau do Iate no próximo dia 11, sábado.
Com mais de 30 anos de trajetória e uma legião de fãs de várias gerações, o Capital Inicial foi criado na capital federal, nos anos 1980 e conquistou um lugar de destaque na cena do rock nacional.
A inspiração para o novo trabalho foi a mítica da cidade de Nova Iorque, que era a fascinação da juventude punk de Brasília na década de 1980. O DVD vai muito além dos hits obrigatórios.
A música ‘Vai e Vem’ tem a marca registrada do Capital Inicial e trata do período de crise que atravessamos no País, com um olhar mais otimista. A composição já conta com mais de dois milhões de visualizações no Youtube.
Já a canção ‘A Mina’ fala sobre os medos e as incertezas do futuro. Para o vocalista Dinho Ouro Preto, é umas das composições de Kiko Zambianchi ‘com a cara do Capital’.
O disco ‘Acústico NYC’ é uma reformulação do álbum Acústico MTV, lançado pelo grupo há 15 anos. O novo projeto é parecido com o momento em que os roqueiros se reinventaram e alcançaram um sucesso acima do esperado.

Serviço:
Capital Inicial no Luau do Iate
Dia 11/08 (sexta-feira), às 21h
Local: Iate Clube Brasília SCEN
Ingressos:
Sócios (um lugar à mesa): R$75
Sócios (individual): R$50
Não Sócio (um lugar à mesa): R$125
Não Sócio (individual): R$90
*As mesas são compostas de 4 cadeiras. Não haverá reservas de mesas.
*VALORES REFERENTES À MEIA-ENTRADA E SUJEITOS A ALTERAÇÕES SEM AVISO PRÉVIO.
Ponto de Vendas:
Vendas Físicas: na tesouraria do Iate Clube Brasília.
Vendas online: www.bilheteriadigital.com.
Informações: (61) 3329-8700.
Classificação 18 anos.

SHOW DE PRÉ-LANÇAMENTO DVD MARLENE SOUZA LIMA

A musicista Marlene Souza Lima volta ao palco do Clube do Choro e promete envolver o público com ritmos suingados e o melhor da música instrumental durante o show de pré-lançamento do seu primeiro DVD, no dia 29 de julho, às 21h.
No repertório do show, a musicista e arranjadora apresentará alguns temas inéditos presentes no DVD gravado ao vivo no Sesc Newton Rossi-Ceilândia ano passado, além das composições que fazem parte do primeiro álbum lançado pelo grupo em 2011 intitulado “My Way”. Músicas como Curinga de ouros, Estou bem, A Minha Irmã, Uma Vinheta Setentista e Gelo Seco.  O DVD contou com o patrocínio do Governo do Distrito Federal, através do FAC-DF. Marlene assina todas as composições e parte dos arranjos.
O registro do DVD faz parte do projeto Marlene Souza Lima Grupo, conjunto musical criado no final dos anos 90. Para o show de pré-lançamento, Marlene conta com a participação dos músicos: Fernando Palau nos teclados, Anco Marcos no contrabaixo elétrico, Waltinho Pedroza na bateria, Jorge Gracindo “Macarrão” na percussão, Alciomar Oliveira no trombone e Marcos Santos no trompete. Líder do grupo, Marlene Souza Lima já é consagrada no cenário nacional. Públicos de diferentes locais já tiveram a oportunidade de se envolverem pelo seu som, tocados por sua música que tem influência no jazz, brasuka, pop e música latina.
Sobre a artista Marlene Souza Lima – A guitarrista, violonista, compositora e arranjadora é carioca e brasiliense de criação. Nascida em lar de músicos, a instrumentista pegou gosto pela música desde muito cedo, cresceu ouvindo música instrumental, jazz, bossa nova, baião, choro. Quando adolescente começou a estudar violão com sua irmã e com os professores Franco Carmo e Pincelão. Ao se matricular na Escola de Música de Brasília, teve a oportunidade de estudar com grandes nomes da música como Paulo André Tavares, Nelson Farias e posteriormente com Mestre Curinga particularmente.
No período de 1994/95, Marlene esteve nos Estados Unidos estudando Inglês na Cal State University-Califórnia e nas horas vagas tocava com músicos do Departamento de Improvisação. Se apresentou também no Bistro de Hayward e em famoso jazz club localizado no Pier de São Francisco.
A artista vem se apresentando em diversas casas noturnas e teatros de Brasília, São Paulo e Goiás. Além dos shows, participação em programas de tv, rádio e programas da web. Teve matéria alusiva a sua carreira musical na edição de 2014 da revista Guitar Player Brasil.

Serviço
Show de Pré-Lançamento do DVD Marlene Souza Lima Grupo
Data: 29 de julho de 2017
Horário: 21h
Local: Clube do Choro de Brasília.
Endereço: SDC BLOCO “G”. (Entre a Torre de TV, o Centro de Convenções e o Planetário);
Entradas: R$ 40 (inteira) R$20 (meia).
Classificação: 14 anos.
Mais informações: (61)32240599 / (61)999753641 ou pelo site: http://www.clubedochoro.com.br/ingressos/