O ESPETÁCULO UM RELES POTTER OCUPA O PALCO DA FUNARTE


Um Reles Potter, uma adaptação do texto A Very Potter Musical. Sucesso de público no ano passado – cerca de 1,5 mil pessoas passaram pelo Teatro dos Bancários -, eles retornarão em temporada na sala Plínio Marcos do Complexo Cultural Funarte (Eixo Monumental). O musical estará em cartaz nos dias 23 (sexta-feira), às 20h; e 24 e 25 de fevereiro, às 15h e 19h. Após campanha de financiamento coletivo realizada no ano passado, desta vez Um Reles Potter conseguiu patrocínio da Tai Crossfit, Home Angels – Cuidadores de Pessoas e da empresa Jukebox Club.
Coreografias, cenários móveis, banda ao vivo. Em dois atos, o grupo brasiliense coordenado pelo diretor Ricardo Taveira, de 30 anos, vale-se de magia e de muita cantoria para percorrer a trajetória da vida do órfão bruxinho dos 11 aos 17 anos. A peça promove uma verdadeira viagem para Hogwarts, a escola de magia onde Harry e seus amigos passam por inúmeras aventuras.
O musical foi realizado pelos artistas locais que, mesmo sem patrocínio, acreditaram no projeto. Fãs também ajudaram a levantar a montagem por meio de uma campanha de financiamento coletivo no passado.

Serviço
Um Reles Potter
Dias 23 (sexta-feira), às 20h; 24 (sábado) e 25 (domingo) de fevereiro, às 15h e às 19h
Local: Sala Plínio Marcos do Complexo Cultural Funarte (Eixo Monumental)
Ingressos: R$ 30 (meia-entrada)
Vendas: Tai CrossFit (910 Norte) Telefone: 98299-9123
Informações: 3322-2032 e tmproducoesbsb@gmail.com
Não recomendado para menores de 12 anos

NESTA SEXTA, INICIAM AS VENDAS DE INGRESSOS PARA O SHOW DE LAURA PAUSINI EM BRASÍLIA

Non È Detto é o single que antecipa o novo disco da Laura Pausini, Fatti SentireLaura Pausini estará passagem pelo Brasil neste ano e confirmou data em Brasília. A cantora italiana se apresenta dia 23 de agosto no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, com a turnê do seu novo álbum que será lançado ainda no início deste ano.
Em Brasília, o show acontece com o patrocínio do SABIN Medicina Diagnóstica, além da capital, a artista tem datas marcadas em São Paulo, Recife e Curitiba.
Clientes em geral podem adquirir ingressos a partir de 23 de fevereiro. Os ingressos estarão disponíveis pela internet (www.eventim.com.br) ou na Central de Ingressos do Brasília Shopping (Piso G2). Além de Brasília, a cantora também fará shows em São Paulo, Recife e Curitiba.
Considerada uma das cantoras mais populares dos países europeus, Pausini totaliza quatro grammys e coleciona 25 álbuns em sua carreira. Neste ano a artista participou como uma das técnicas da edição do reality show La Voz, do México, programa similar ao The Voice brasileiro.

ASSALTOS CONSTANTES ESTÃO ASSUSTANDO FREQUENTADOES DA CACHOEIRA CÓRREGO DO URUBÚ

Cachoeira Córrego do Urubú, no Lago Norte vem sofrendo constantes assaltos e violência. A bela queda d´agua localizada no Núcleo Rural do Córrego do Urubu, próximo ao Lago Norte, tem trilha curta é um verdadeiro convite para as famílias da região se refrescarem nos dias mais quentes do ano. Os moradores da região estão sempre trabalhando na conservação e limpeza do local. Mas parece que o fácil acesso está atraindo também assaltantes que buscam, na maioria das vezes, objetos dentro dos veículos estacionados, porém a abordagem de frequentadores com facas e outros objetos cortantes está virando rotina no local.

MARCIA CASTRO E OTTO TRANSFORMAM CAIXA CULTURAL EM BOATE NO ENCERRAMENTO DO EXPERIA

Otto e Marcia Castro (Foto Jacqueline Lisboa)

Foi com uma grande festa que o já consolidado Festival Experia se despediu da Caixa Cultural Brasília no último domingo (18). Sob o comando de Marcia Castro e a participação especial do cantor Otto, o show balançou as estruturas do teatro localizado no Setor Bancário Sul. O público que estava quieto nos primeiros dez minutos,  levantou na terceira música a pedido da cantora e não sentou mais.

(Foto Jacqueline Lisboa)

Na apresentação de mais de duas horas, o público se esbaldou com músicas do novo CD da artista (Treta), mas as já conhecidas De pés no chão e preta pretinha não ficaram de fora do repertório.  O pernambucano Otto chegou ao som de História de fogo, composição sua com a atriz Alessandra Negrini, que agitou ainda mais a plateia.

(Foto Jacqueline Lisboa)

O evento reuniu em quatro dias de shows vários artistas da música independente Brasileira , como: As Bahias e a Cozinha Mineira, BNegão, Curumin, Russo Passapusso, Pélico, Filipe Catto, Juliana Perdigão e os Kurva, Tulipa Ruiz e encerrando com Marcia Castro e Otto.
O público clamou em peso para que no próximo ano o evento aconteça na área externa do complexo cultural. Estamos na torcida!

CARNAVAL NO PARKSHOPPING

O clima do carnaval da Bahia contagiou a Praça Central e os corredores do ParkShopping, no último domingo (11), quando centenas de famílias se reuniram para curtir o evento carnavalesco MEU PRIMEIRO TRIO. Além da ambientação criada para a festa, músicas infantis e axés famosos dos anos 90 animaram os foliões de todas as idades que foram até o shopping para festejar com muita alegria, conforto e descontração.

Aulas de dança, além de pintura inspirada no Grupo Timbalada também fizeram a alegria da garotada. Entre as surpresas não puderam faltar as famosas fitinhas do Senhor do Bonfim, que foram estilizadas para a ocasião e deliciosos dindins de chocolate e morango distribuídos para as crianças se refrescarem durante a festa. A folia começou às 14h e foi até às 20h, marcando com grande estilo a primeira vez em que as lojas do ParkShopping abriram no domingo de Carnaval.

CLÃ FERRUGEM OCUPA MIMOBAR NESTE SÁBADO (17)

Moda e música invadirão o MimoBar, localizado no gramado da Funarte, neste sábado, 17 de fevereiro, a partir das 16h.
A ocupação que une música e drinks especiais em um espaço decorado com muito bom gosto, será o cenário para um grande agito de fim de tarde que contará com uma grande liquidação da estilista Fernanda Ferrugem. A trilha sonora ficará por conta das gêmeas Telma e Selma. A entrada é muito franca.

MÁRCIA CASTRO, OTTO, AS BAHIAS E A COZINHA MINEIRA, BNEGÃO, CURUMIN, RUSSO PASSAPUSSO, PÉLICO, FILIPE CATTO, JULIANA PERDIGÃO E OS KURVA E TULIPA RUIZ NO FESTIVAL EXPERIA

A segunda edição do Festival Experia em Brasília apresenta um panorama único da cena musical independente brasileira. A cada apresentação, o palco do Teatro da CAIXA recebe encontros musicais que trazem o que há de mais inovador na música contemporânea nacional. Os artistas convidados têm em comum o gosto por explorar os limites da música e pela busca por novas sonoridades; além de serem considerados, por especialistas, como grandes apostas da música.
Na quinta-feira, 15 de fevereiro, a banda paulistana comandada pelas mulheres trans Raquel Virgínia e Assucena Assucena e o guitarrista Rafael Acerbi, As Bahias e a Cozinha Mineira, estreia seu novo show, Bixa (2017), com participação do carioca BNegão. Sexta, 16, é a vez do compositor paulista Curumin apresentar seu mais recente álbum, Boca (2017), tendo como convidado o baiano Russo Passapusso, vocalista da Baiana System, que chama atenção também com seu trabalho solo, Paraíso da Miragem (2014).
Resultado de imagem para filipe cattoA primeira sessão de sábado, 17, traz ao palco da Caixa Cultural o show do paulistano Pélico baseado no disco Euforia (2015), tendo como convidado o gaúcho Filipe Catto, trazendo seu mais recente trabalho, Catto (2017) na bagagem. A segunda sessão do mesmo dia reserva um show da artista mineira Juliana Perdigão acompanhada por sua banda Os Kurva sobre o disco Ó (2016), com a participação de Tulipa Ruiz, que lançou no fim de 2017 o disco Tu, com releituras de carreira e novas canções em roupagem acústica. Por fim, no domingo, 18, a baiana Marcia Castro lança em Brasília seu novíssimo álbum, Treta (2017), com participação do pernambucano Otto, que também lançou recentemente o trabalho Ottomatopeia (2017).

Confira a programação completa:
15 de fevereiro, quinta-feira, às 20h: As Bahias e a Cozinha Mineira convidam BNegão
16 de fevereiro, sexta-feira, às 20h: Curumin convida Russo Passapusso
17 de fevereiro, sábado, às 17h: Pélico convida Filipe Catto
17 de fevereiro, sábado, às 20h: Juliana Perdigão convida Tulipa Ruiz
18 de fevereiro, domingo, às 19h: Márcia Castro convida Otto

Festival Experia 2018
Data: 15/02/2018 a 18/02/2018
Horário: Quinta e sexta-feira, às 20h; sábado, às 17h e 20h; domingo, às 19h
Horário da Bilheteria: Terça a sexta-feira e domingo, das 13h às 21h e sábado, das 9h às 21h
Local: Teatro da CAIXA
Entrada: Não será permitida a entrada após o início do espetáculo
Valor do Ingresso: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada para estudantes, professores, funcionários e clientes CAIXA, pessoas acima de 60 anos e doadores de 1kg de alimento não perecível). À venda a partir de 10 de fevereiro 

PROJETO ÊAÊAÔÔ AXÉ 90 RETORNA AO OUTRO CALAF COM CRIOLINA E A BANDA ÊAÊAÔÔ EM 12 DE FEVEREIRO

O axé é o mote do projeto Êaêaôô Axé 90 que revisitará grandes sucessos do gênero de todos os tempos.
A Criolina e a banda Êaêaôô, formada por músicos do Moveis Coloniais de Acajú, Muntchako, Passo Largo e Consuelo, amantes do Axé e vividos nos anos 90, comandam a segunda de carnaval (12/2), no outro Calaf e prometem azeitar com muito dendê o palco da casa de shows.
Depois dos blocos que vão agitar o Setor Bancário Sul, a festa vai começar, com os mais belos dos belos, com a divindade faraó e os tambores dessa cidade, pra dar a volta no mundo, ver o mundo virar e viver mil e uma noites de amor com você.
Consuelo vai cantar axé no carnaval de Brasília na companhia de André Gonzales, Vavá Afiouni, Macaxeira Acioli,  Marcus Moraes, Thiago Cunha, Esdras Nogueira e Fernando Jatobá.
Esta big band vai passear nos sons desde Kaoma a Daniela Mercury, passando por Luiz Caldas, Sarajane, banda mel, Olodum, Timbalada, Ivete Sangalo, entre outras mais.

Êaêaôô Axé 90
Outro Calaf – Setor Bancário Sul – Quadra 5 – Edf. João Saad – Térreo – Brasília
Segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018, às 19h
Entrada: R$ 40,00 segundo lote
https://www.sympla.com.br/eaeao—axe-90-no-calaf__235066
Censura – 18 anos
Informações https://www.facebook.com/events/2029721760598048/?active_tab=about

DHI RIBEIRO SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL BRASÍLIA

Dhi Ribeiro encerra a temporada 2017 do projeto Samba de Bamba, nesta quarta-feira (10). Participante do programa The Voice, a artista conta com mais de vinte anos de carreira onde transitou por vários estilos musicais até estabelecer-se no samba. Os ingressos já estão à venda por R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada).
A cantora, erradicada em Brasília, traz em suas veias o axé baiano e o mais tradicional samba carioca. Fundadora do projeto Roda Dhi Samba, que promoveu o encontro de grandes sambistas em Brasília, Dhi Ribeiro sobe ao palco interpretando canções que tem como referências Maria Bethânia, Gal Costa, Alcione, Clara Nunes, Eliana Pitman e Zezé Motta.
Dhi Ribeiro encerra a temporada 2017 do projeto Samba de Bamba. O curador e coordenador geral do projeto, Rodrigo Browne, comemora o sucesso desta edição ressaltando que mais uma vez tive a oportunidade de apresentar artistas que fazem parte de uma nova geração do samba. “Eles renovam o gênero com muita qualidade assumindo o compromisso de apresentar um repertório com composições que respeitam o nosso passado cultural”, explica.

Sobre a cantora:
Nascida no Rio de Janeiro, criada em Salvador e estabelecida em Brasília, Dhi Ribeiro, estreou no meio musical recebendo o prêmio de Cantora Revelação do Carnaval de Salvador em 1993. Convidada, passou quatro anos na Itália como cantora e mestre de cerimônias do tradicional Circo di Lidia Togni – Un Spettacolo Italiano. De volta ao Brasil, passou a se dedicar à carreira solo. Em 2009, lançou o disco Manual da Mulher que teve a música Para Uso Exclusivo da Casa na trilha sonora da novela Lado a Lado, da Rede Globo. Dhi Ribeiro também esteve na trilha sonora da novela Tempos Modernos, da Rede Globo, com a música Aula de Matemática, de Tom Jobim e Marino Pinto.

Serviço
Show:
 Samba de Bamba com Dhi Ribeiro
Local: Teatro da CAIXA Cultural Brasília (SBS Quadra 4 Lotes 3/4)
Dia: 10 de janeiro de 2018
Horário: quarta-feira, às 20h
Classificação indicativa: não recomendado para menores de 12 anos
Duração: 80 minutos
Ingressos: à venda a partir de 6 de janeiro de 2018 | R$ 20 e R$ 10 (meia entrada)
Meia-entrada: estudantes, professores, funcionários e clientes CAIXA, pessoas acima de 60 anos e doadores de livros.
Capacidade: 406 lugares (8 para cadeirantes) | Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais
Bilheteria: de terça a sexta e domingo, das 13h às 21h, e sábado, das 9h às 21h. Contato: (61) 3206-6456
Patrocínio: CAIXA e Governo Federal

100 ANOS DE ATHOS BULCÃO EM EXPOSIÇÃO NO CCBB BRASÍLIA

A partir da terça-feira (16), o brasiliense poderá conferir em primeira mão, a exposição “100 anos de Athos Bulcão”, realizada pela Fundação Athos Bulcão e produzida pela 4 Art. A mostra que conta com curadoria de Marília Panitz e André Severo vai percorrer as unidades do CCBB Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo.
Com a intenção de propor um profundo mapeamento e imersão na diversidade dos trabalhos e técnicas do artista, a mostra oferece ao espectador a possibilidade de conhecer o processo de sua produção. Incluindo a exibição de obras inéditas, mais de 300 trabalhos de Athos Bulcão, grande parte do acervo da Fundação, apresentarão ao público um amplo panorama de sua criação entre os anos 1940 e 2005, contextualizando sua obra e seu pensamento. Além disso também serão apresentados trabalhos de artistas que, de uma maneira mais direta – convivendo com ele, no ateliê e nos chás – ou indireta – artistas mais jovens, muitos nascidos em Brasília, que reconhecem a influência do mestre pelo convívio cotidiano com suas obras públicas.

Dividida em núcleos, “100 anos de Athos Bulcão” vai além da arte da azulejaria: destaca também a pintura figurativa do artista realizada nos anos 1940 e 1950, antes de Brasília. – A série dos carnavais e sua relação com a pintura sacra é extraordinária – afirma Marília Panitz, ao destacar que Athos Bulcão utilizou uma mesma estrutura composicional para trabalhos sacros e profanos, citando como exemplo A Vida de Nossa Senhora, que está na Catedral de Brasília. A mostra contém ainda os croquis que Athos Bulcão fez para o grupo de teatro O Tablado, do Rio de Janeiro, os figurinos das óperas Amahl e Os Visitantes da Noite de Menotti, paramentos litúrgicos modernistas, grande acervo de seu trabalho gráfico e até os lenços que desenhou quando estava em Paris.

Outro aspecto da exposição é a interatividade, desenvolvida a partir do caráter urbano e democrático da obra pública de Athos Bulcão inserida nas cidades. Através de um aplicativo criado especialmente para a mostra, o público será convidado a interagir e apropriar-se de projetos. Como num jogo, os azulejos de Athos Bulcão poderão ser “colocados” em qualquer espaço como, por exemplo, a casa do “jogador”. A realização de mesas-redondas com os curadores e convidados especiais que irão dialogar com os visitantes sobre a vida e obra de Athos Bulcão completam a programação. A primeira delas acontece no dia 17 de dezembro às 10h com a presença dos curadores, Marília Panitz e André Severo, Valéria Cabral, secretária executiva da Fundação Athos Bulcão, além de vários artistas da cena brasiliense.

A EXPOSIÇÃO

– Combinando o viés cronológico com uma aproximação temática, “100 anos de Athos Bulcão” aposta nos vínculos, mais ou menos evidentes, entre diferentes momentos da trajetória do artista e se estrutura a partir de núcleos de obras e estudos que se interpenetram e deixam evidente a diversidade conceitual e material que permeia toda a obra de Athos Bulcão – afirma André Severo.

As obras do Núcleo 1 – A cor da fantasia, têm caráter figurativo, o que é menos conhecido, no conjunto de sua criação. Com figuras simplificadas e uma paleta particular, em que as cores puras e os tons terrosos predominam, o universo imaginário do artista, formalmente aproxima as festas profanas com as imagens religiosas que produziu, ainda no início dos anos 1960, para a Catedral de Brasília. Nesse núcleo estão também as vestes litúrgicas e projetos para painéis e vitrais de igrejas, produzidos pelo artista, assim como desenhos realizados no final de sua vida quando o tema do carnaval que aparece como lembrança ancestral, reaparece.

As fotomontagens são um momento único na obra de Athos Bulcão. No Núcleo 2 – Devaneios em preto e branco, elas apontam para certo pensamento tributário das experimentações surrealistas e de certa vertente construtiva presente nos desdobramentos da experiência da Bauhaus. É também uma utilização daquilo que o aprimoramento do offset e das revistas possibilitou. Aqui é possível identificar a maestria da composição associada a um viés de humor. Além das Fotomontagens pertencentes ao acervo da Fundação Athos Bulcão, serão exibidas pela primeira vez as colagens que deram origem a elas – todas pertencentes a uma coleção particular.

Na abertura do Núcleo 3 – É tudo falso, surge o artista segurando uma máscara que é a reprodução de uma outra, ancestral. O título do núcleo toma uma fala de Athos Bulcão que questionava a ideia de originalidade e, portanto, o de falsificação, assim como outros artistas seus contemporâneos. Junto a estas “pinturas objetos” estão pinturas, gravuras e desenhos em torno do mesmo tema da documentação antropológica imaginária. Ainda estão presentes alguns dos bichos – coleção de esculturas criada em pequena escala, a maneira dos seres imaginários de Borges e depois construídos em tamanho maior para as crianças na Rede Sarah de hospitais para o aparelho locomotor.

No Núcleo 4 – A geometria e a poesia, se pode observar mais profundamente o Athos Bulcão grande colorista e sua paleta de cores. Há ali, um tríptico onde estão reunidos os três vieses desse grupo de obras pictóricas desenvolvidos entre o final dos anos 1960 e os anos 1990: as máscaras, que quase desfaziam a figuração; a associação de recortes quadrados que se espalhavam sobre o fundo monocromático; e as texturas com pequenos círculos, pontos, cruzes, quase ideogramas particulares criados pelo artista, que se espalham por toda superfície da tela e definem, sutilmente,formas que nos parecem instáveis dando-se a ver e desaparecendo sob o olhar do observador. Em diálogo com as telas, são colocados estudos de painéis de azulejos, desenhos e gravuras que comprovam o parentesco conceitual nas diversas experimentações: coerência e diversidade.

Núcleo 5 – A forma reinventada e seus modos de usar reúne as experiências do artista em diversos campos como suas capas de revistas e livros, ilustrações de jornais, projetos de estamparia em lenços e capas de discos. Também são apresentadas suas incursões no teatro – em especial, junto ao grupo O Tablado, de Aníbal Machado – onde foi cenógrafo e figurinista, além de designer dos programas das peças. Ainda é possível encontrar seus projetos para mobiliário realizados em residências particulares, assim como na Rede Sarah. É um bom momento para refletir como, a partir de uma clara proposta estética e conceitual, o artista se aventura por outros campos de fazer.

Núcleo 6 – Construções/Montagens: a invenção de uma forma de integração da arte à arquitetura é o maior núcleo da mostra. Dele fazem parte os trabalhos dessa integração que se conhece em Brasília mais massivamente, mas também em muitas cidades no Brasil e no exterior. Aqui é possível ver o método do mestre, sua precisão e sua abertura para a surpresa, para o inesperado, que mantêm sua obra com um frescor perene.

À maneira de um jogo, o visitante é convidado a interagir e apropriar-se de projetos de painéis de azulejos (marca maior do trabalho do artista). O exercício proposto no Núcleo 7 – Interagir com Athos Bulcão, transformar a cidade, é que, por meio de um aplicativo desenvolvido especialmente com este fim, e a reprodução das imagens projetadas na parede do fundo da galeria, o jogador possa experimentar os azulejos de Athos Bulcão de sua escolha sobre as superfícies de sua casa, por exemplo, ou de um prédio escolhido dentro do repertório de imagens oferecidos pelo jogo.

Núcleo 8 – Rastros de Athos Bulcão trata da presença da obra e dos ensinamentos de Athos, como influência no trabalho de artistas contemporâneos. Aqui, os visitantes poderão conferir obras de alguns artistas que reconheçam de alguma forma a presença de Athos Bulcão em suas poéticas e junto a uma outra, de Athos Bulcão, que corresponda a esta zona de influência.

Ao longo de toda a mostra podemos ver a reprodução em escala de alguns dos relevos acústicos que foram desenvolvidos pelo artista, assim como algumas divisórias utilizadas em diversos prédios públicos, cuja originalidade e funcionalidade são marca do trabalho, sem precedentes, de integração entre arte e arquitetura proposto por Athos Bulcão.

No espaço externo (marquise e jardins), três cubos, com faces verticais revestidas com doze padrões de azulejos realizados em construções espalhadas por diversas cidades do Brasil e do mundo, como, embaixadas, prédios públicos etc. A cobertura em uma dimensão generosa e realizada com o material real possibilita ao público a experiência do corpo a corpo com os painéis e também propicia a aventura de documentar as viagens imaginárias pelos diversos locais onde estão seus trabalhos, com um só click.
Para além da cronologia, e exposição contextualiza a trajetória de Athos Bulcão, a conexão entre suas obras e um adensamento em sua poética. Será possível visualizar seu caminho no Brasil e exterior, desde sua inspiração inicial pela azulejaria portuguesa, seu aprendizado sobre utilização das cores, quando foi assistente de Portinari, até as duradouras e geniais parcerias com Niemeyer e João Filgueiras Lima, o Lelé. – Para nós, que divulgamos e preservamos seu legado, é sempre uma alegria homenagear o talento desse homem discreto, preocupado especialmente em harmonizar e compor o trabalho do arquiteto na integração de sua arte, mas que também se engrandece quando envolvido em telas, tintas e pincéis, produzindo um dos mais destacados repertórios da arte brasileira – afirma Valéria Cabral, secretária executiva da Fundação Athos Bulcão.
Essa homenagem a Athos Bulcão quer resgatar o valor individual dessa arte única que foi produzida no Brasil, sua importância no panorama da visualidade moderna, além da valorização, do reconhecimento para a manutenção da memória nacional.

Serviço
100 anos de Athos Bulcão
Visitação: de 16 de janeiro a 01 de abril de 2018
Mesa Redonda: 17 de janeiro às 10h
Local: Centro Cultural Banco do Brasil Brasília
SCES, Trecho 02, lote 22 | Brasília (DF) – (61) 3108-7600
E-mail: ccbbdf@bb.com.br – Site: bb.com.br/cultura
Redes sociais: facebook.com/ccbb.brasilia e twitter.com/CCBB_DF
Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 9h às 21h
Patrocínio: Banco do Brasil
O Centro Cultural oferece transporte escolar gratuito para escolas públicas, ONGs e instituições assistenciais do Distrito Federal e entorno mediante agendamento pelo número 3108-7623 ou 3108-7624.
Entrada franca | Livre para todas as idades
Produção: 4 Art Produções Culturais
Curadoria: Marília Panitz e André Severo