ALFREDO VOLPI – LA POETIQUE DE LA COULEUR

O artista Alfredo Volpi, um dos mais importantes pintores brasileiros, ganha enfim uma exposição retrospectiva no exterior. O artista tem seu trabalho celebrado por Alfredo Volpi – La Poétique de la couleur (Alfredo Volpi – A poética da cor, em português), exposição inédita que o Nouveau Musée National de Monaco promove entre 9 de fevereiro e 20 de maio.

Trata-se da primeira individual do artista realizada em uma instituição pública fora do Brasil. Com curadoria de Cristiano Raimondi, e apoio do Instituto Alfredo Volpi de Arte Moderna e da Galeria Almeida e Dale, a mostra apresenta um conjunto cerca de 70 obras do pintor, cuja produção ainda não é devidamente reconhecida para além das fronteiras da América Latina.

“A iniciativa do Nouveau Musée National de Monaco é educativa, bem como extremamente relevante para a preservação e divulgação da memória e produção do artista”, reforça Pedro Mastrobuono, diretor do Instituto Volpi. A colaboração entre os países também é elogiada pela diretora do museu, Marie-Claude Beaud. “A mostra não seria possível sem a contribuição do Instituto Volpi e dos inúmeros colecionadores que aceitaram nos emprestar seus trabalhos”, afirma.

A exposição traz desde paisagens rurais e urbanas dos anos 1940, até trabalhos das décadas de 1950, 60 e 70, nos quais predominam composições geométricas coloridas, como as faixadas de edifícios e suas famosas bandeirinhas.

Traçando esse amplo panorama de sua carreira, a mostra homenageia o pintor autodidata, que nasceu em 1896 na cidade de Lucca, na Itália, e que se mudou ainda criança para o Brasil. Com a família, instalou-se em São Paulo, no tradicional bairro do Cambuci, reduto paulistano da comunidade italiana.

Na juventude, Volpi foi marceneiro e entalhador, até começar a atuar como pintor decorativo de casas da alta burguesia paulistana. O ofício lhe proporcionou dinheiro suficiente para que desse vazão a seus desejos artísticos e desenvolvesse um estilo próprio. Nos anos 1930, quando começou a fazer sucesso, sua obra não podia ser enquadrada em nenhuma das vanguardas da época.

A curadoria, entretanto, reforça o impacto de grandes mestres europeus sobre a produção do pintor. Durante os anos 1940, o Brasil recebeu trabalhos de nomes como Giorgio Morandi, Henry Matisse e Paul Cezanne. O contato com esses artistas foi essencial para que Volpi remodelasse o espaço pictórico, produzindo trabalhos abstratos, numa rigorosa simplificação formal.

Essas modificações em sua obra se intensificam no ano de 1950, quando o artista viaja para a Itália. Em seu país de origem, se encanta com os afrescos em têmpera de Giotto na capela de Scrovegni, em Pádua. Na ocasião, também se interessa pelas obras dos pintores pré-renascentistas como Margheritone d’Arezzo e Cimabue. Três anos depois, recebe o prêmio de melhor pintura na segunda Bienal de São Paulo, consagrando-se como um dos grandes artistas do Brasil.

Apesar da vasta obra e de sua popularidade no País, Volpi nunca teve uma exposição individual na Europa. Seus trabalhos foram expostos na Bienal de Veneza, de 1962, e em algumas mostras em galerias. A retrospectiva em cartaz no Nouveau Musée National de Monaco visa aproximar o grande público europeu da obra desse mestre brasileiro, que fazia questão de produzir uma arte popular e, não por isso, menos sofisticada.

O trabalho do artista também poderá ser conferido no catálogo da mostra, a ser lançado em abril. Co-publicado pela Capivara Editora (Brasil) e pela Mousse Publishing (Itália), o livro reunirá textos, em francês e inglês, do curador da exposição Cristiano Raimondi e dos críticos de arte Jacopo Crivelli Visconti e Lorenzo Mammi.

Sobre o curador

Cristiano Raimondi é o Chefe de Desenvolvimento e Projetos Internacionais no Nouveau Musée National de Mônaco. Desde a abertura da Villa Paloma em 2010, curou exposições como Erik Bulatov – Pinturas e desenhos 1966-2013 (2013), Gilbert & George Art Exhibition (2014) e Construire une Collection (2014), esta última em parceira com Marie Claude Beaud e Celia Bernasconi. Em 2017, foi responsável pela mostra Poïpoï, une Collection Privée à Monaco e co-curador da exposição Hercule Florence, Le Nouveau Robinson.

Sobre o museu

O Nouveau Musée National de Monaco revela a herança do Principado de Mônaco e ilumina a criação contemporânea através de exposições temporárias em suas duas sedes – Villa Paloma e Villa Sauber. Esta abordagem é parte integrante de um território incomum, cuja história sempre foi marcada pelo diálogo entre a arte e as disciplinas científicas, bem como o apoio a criadores, pensadores e pesquisadores.

O museu já apresentou exposições de importantes nomes da arte moderna e contemporânea como os norte-americanos Duane Hanso e Richard Artschwager, o italiano Fausto Melotti, o russo Erik Bulatov e o alemão Thomas Schütte.

Servico:
Alfredo Volpi – La Poétique de la couleur
Local: Nouveau Musée National de Monaco
Endereço: Villa Paloma, 56 | Boulevard du Jardin Exotique
Abertura: 8 de janeiro, a partir das 18h
Período expositivo: de 9 de fevereiro a 20 de maio
Horário de visitação: de segunda a domingo, das 10h às 18h

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *